4.06.2016

carta de despedida

Não é o adeus que custa mais, é quando nos começamos a apercebe que o fim está a um passo, que não dá mais que é uma perda de tempo forçarmos o que nunca esteve destinado. 
Olharmos para trás e ver que podiamos ser tão imensos e profundos mas escolhemos ser nada, escolhemos as palavras porque na verdade são mais fáceis do que atitudes, escolhemos desviar a cara ou dizer apenas um olá porque fica bem.. 
Escolheste ir embora e levar contigo toda a serenidade que outrora trouxeste. Fomos tanto e hoje não conseguimos lá chegar. Tropeçamos no que ficou pelo caminho porque decisões precipitadas levaram-nos a caminhos errados.  
Não nos resta muito até decidirmos o que seremos amanhã, passado certamente.. E é agora que me sinto cada vez mais ansiosa, se há um ano me perguntasses onde queria estar hoje responder-te-ia que "no Dubai" ou então "desta vez escolhes tu"... Não me imaginava a perder-te, não tão rápido. 
Criei mentalmente alguém que não és tu, não existe, e é talvez isso que mais custe. Cair na realidade, é agora que nos sentimos ridículos, que o teu perfume sai forçadamente da minha roupa, o teu sorriso deixou de existir e o teu olhar já não transmite mais nada. 
Só espero que esta não seja mais uma das nossas decisões precipitadas. 

Sem comentários:

Enviar um comentário