Avançar para o conteúdo principal
Deixo-te partir porque és livre, gostas de se-lo e sempre o foste... Não me pertences jamais, outrora quiçá, numa fração, numa pequena fração de segundos fostes meu; quando teimavas em olhar-me fixamente, aproximavas-te e beijavas-me, quando esqueciamos o que nos rodeava e entrelaçavamos os dedos, "mais nada importa agora". Deixei-te partir porque a partida é mais fácil de suportar do que o teu silêncio.
A calmidade que te consumia desaparecera, metaforicamente és um cigarro, mais dois tragos e apagas-te. Apago-te, mas este cheiro, este cheiro malicioso teima em parmenecer nas minhas maos e na minha roupa.

Estou na praia, mais sozinha que o habitual, sento-me e puxo de um cigarro, acendo-o e peço aos ventos que levem o que resta de ti em mim, não suporto mais a angústia de ter que caminhar sozinha, de percorrer esta praia sem ter ninguém para dar a mão, sorrir, olhar para o fim do oceano e saber que o mundo era todo meu, naquele momento segurava-o...

Ainda tentei abraçar-te, mostrar-te que sou mais do que aquilo que ves, que não precisava de mais nada apenas de ti, mas o amor que me prometeste falhou, e nada me mata mais do que promessas quebradas.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

💚

Querer ter a coragem de hoje te dizer tudo o que sinto, que nem todos os dias foram bons e nem todas as horas foram tuas. Dizer-te que hoje te quero mais do que outrora te quis, que não soube lidar com todo o amor que me deste. Mas a vida segue, e nós seguimos em frente, culpa do destino nem pensar, culpa minha por querer ter o que nunca foi meu, por querer ser maior do que o meu tamanho. Por egoísmo talvez, perdi-te.
Mas sempre estive ali, aguentei o que pude, até quando achei que não fazia mais sentido continuar a segurar o que não me pertencia, mas hoje olho e vejo que eras tudo, tudo o que hoje suplico de volta.
Então volta para o que nunca foi teu mas que hoje te quer, então volta a procurar-me onde quer que seja. No café ou no supermercado. Procura o meu olhar quando suplico que me vejas, e vejas que tudo o que me faltou está hoje presente em mim. Um coração cheio de amor e uma mão que te quer segurar. Um corpo frágil que insiste em te proteger e uns sonhos para realizarmos. T…

Eros

Soubemos à partida que iamos ser eu e tu contra o mundo e mesmo assim juntamos forças e fizemos frente às correntes e ventos que nos faziam recuar. Fizemos.
Hoje, mais do que nunca, somos um só. Um só que escolheu o orgulho, um só que abraçou os próprios sentimentos e não olhou para o lado, um só que fez as malas e partiu, para longe, longe dos braços de um amor confortável e seguro.
Nós que juramos amor eterno, que fomos loucos o suficiente para não ouvir o que nos saía descontroladamente da boca, nós que conseguimos ser tanto, mas...
E há sempre um mas porque buscamos a perfeição. Ridículo certo? E esquecemo-nos, ou forçamo-nos a esquecer que estamos a cuidar de alguém, que temos a felicidade de outro nos nossos braços. Tão pouco mas tão imenso.
Tão distante que me esqueci do conforto do teu peito, da força do teu abraço e do olhar que me acalmou nas piores horas.
Só precisavas de estar ali, sorrir e salvar-me dos cães.
Eternamente grata.

Casa

Pudesse eu dizer-te que a vida é efêmera, que também ela é irregular, sem o travo doce do desejo de partilha; pudesse eu proteger-te do mal que te fiz.
A culpa que carrego aos ombros é hoje mais pesada. Trago em mim a saudade desse olhar tão teu, tão meu e tão sem jeito. Trago a saudade da saudade boa, do que devia abraçar com toda a força para que nunca tivesse partido, quebrado ou dispersado. Para o que foi meu.
Para longe.
Pudesse eu ter segurado cada lágrima que teimou em se mostrar, pudesse eu ter-me desfeito do manto frio que vesti, que usei orgulhosamente. Porque quis e fiz, e se fiz estava certa.
Mas não estava.
Pudesses saber que nada é tão teu, que nada hoje é correto, que te encontro e te trago, que te levo para onde vá. Pudesses saber que és tudo em tão pouco que a vida é.